sexta-feira, 30 de janeiro de 2009

desacorrenta,menina.

não venha eternidade, porque não te quero.
não me venha com toda a sua falsa segurança que só me causa angústia.
quero dançar no ritmo e com o par que me der a mão, não só contigo eternidade prepotente.
me liberte sa segurança e da sandália baixa, do baixo teor de insanidade e do alto teor de paz. dê-me um pouco de adrenalina, desespero e até mesmo tristeza.
eternidade me causa raiva, um ódio singelo e amargo que me tira a vontade de desejar dançar.
adoro dançar, e adoro dormir. da mesma maneira que odeio que me acordem, odeio essa eternidade da qual não me desprendo, não por querer, mas por covardia.
eternidade não existe sem mim, acredito eu, entretanto, não te quero, mas também não quero te magoar.
eu quero vestir branco, mas não eternamente.
quero um tempo, um tempo pra aprender a ser só, a fazer só, e não me acostumar, não me confortar da maneira que me conforto ao pensar em eternidade.
eu não guardo os sentimentos que já senti, estão todos flutuando por aí, no rancor de alguém, não no meu.
não quero mais raiva do que a [ideia de] eternidade já me traz.
desacorrenta, menina. desacorrenta esse teu sentimento presente.
e acorrenta teu coração.

só isso que falta, além da coragem.


que nem sempre seja eterno, que nem sempre dure. amém.
.

6 comentários:

Mounna disse...

E que de forma nenhuma sufoque.

[KeLLy ViAnA] disse...

Perfeito o post!
que tudo seja eterno em quando dure.!

Nadja disse...

Muito bom esse texto!

:)

Bruno Blessed disse...

eternidade não existe sem mim'
Isso é fortee ;o
Mas profundo ao mesmo tempo
Posta mais aii
^^

Mayone Mayne. disse...

Não a quero tbm, essa a graça da vida! Viver intensamente hoje, com um turbilão de emoção dentro do peito, pq afinal vc não tem a eternidade.

vou voltar :)

JaqueFonseca; disse...

tô doente, não sei o que comentar.