segunda-feira, 3 de agosto de 2009

REUNI, e aí ?

A Reforma Universitária que deveria, aliás, está sendo implantada, na teoria, não é mesmo eficiente. Sequer eficaz, como já previsto por diversos estudantes e instituições que desde o ano passado reinvidicaram pelo ensino público superior de qualidade e se puseram contra o REUNI. Dentre estudantes do país inteiro, depois de uma greve geral, termos, reuniões e debates, a Universidade Federal de Rondônia se pôs inteiramente contra a implantação do REUNI. Entretanto, as instâncias superiores da mesma, às quais não vale apena adjetivar, desrespeitaram completamente a opnião dos estudantes. Por um lado, nada mais foi feito além de implantada Reforma/Lula, como o atual governo planejava (incrível como a Educação tem piorado a cada dia...). A aceitação do REUNI por parte da Federal de Rondônia se justificava na convenciência, lógica e justa, teoricamente -aceitação da Reforma em troca de recursos (nada mais óbvio).Caso não fôsse aceita a Reforma, não receberíamos recursos do governo. Ok, seria tudo lindo e maravilhoso, segundo governantes, politiqueiros, REItores e afins.
Mas a situação, infelizmente, é outra.

A priori, os estudantes da UNIR conseguiram impedir que o número de vagas de diversos cursos fosse aumentado no vestibular/2009, pois a Universidade não poderia comportar mais alunos do que já tem, Adiando também o vestibular dos novos cursos, que tiveram sua seleção agora, no meio do ano: Arqueologia, Engenharia Civil, Ciências da Informação (Biblioteconomia), Filosofia - Campus de PVH, entre outros cursos em outros campus. (das quais não tenho informações concretas)

Não bastasse o escândalo sobre o caso "Golpe de Mestre/Medicina UNIR", que ainda está em processo e nada pode, não concretamente, ser afirmado, a situação da Unir está caótica com a entrada de novos calouros. Calouros que não tem salas, professores ou pelo menos alguém para orientá-los! Ninguém da Reitoria, Pró Reitoria ou administração foi capaz de dar satisfação aos alunos que chegam à Universidade. (Isso a mídia portovelhense não reproduz. Maravilhoso nosso jornalismo, diga-se de passagem)

O Diretório Central dos Estudantes, bem localizado, no centro do Campus, e pintado claramente de DIRETÓRIO CENTRAL DOS E S T U D A N T E S, foi o único local encontrado pelos calouros para adquirirem alguma informação, na primeira semana. Não bastasse a desorganização das demais instâncias, que deveriam ter se responsabilizado pela entrada desses calouros, bem como sua recepção (não que o DCE não tenha essa obrigação, longe disso), foi recebido pela atual gestão do Diretório, na quinta-feira, dia 30, um ofício EXPULSANDO, a palavra é essa mesmo, os alunos que ali tem sua sede. A Adunir recebeu o mesmo ofício. Temos 10 dias para desocupar a sala que nos foi CEDIDA, depois de lutas de gestões anteriores para adquirir aquele espaço. Mas essa é outra história...

Fato é que NÃO EXISTEM SALAS PARA OS ALUNOS DOS NOVOS CURSOS, NÃO EXISTE CORPO TÉCNICO E NEM DOCENTES SUFICIENTES PARA ATENDER A ESSA DEMANDA. NÃO EXISTEM LABORATÓRIOS! NADA, NADA.
SÓ EXISTIU PROMESSA: DA REITORIA, DO GOVERNO, DE PAPÉIS. DE POLÍTICA!

Quiseram , e nas coxas implataram curso que requerem grande infra estrutura, a qual a Universidade não pode sustentar nesse momento. Enquanto oferecem tais cursos, despertando expectativa e esperança na sociedade, que seria a beneficiada com isso,na Engenharia Elétrica, curso relativamente novo do qual nenhuma turma saiu formada ainda, implantado em 2007, alguns professores ameaçam a paralisação das aulas neste semestre devido a ausência de corpo docente suficiente, e é claro, laboratórios para as aulas. A retomada das aulas só aconteceria se novos professores fossem contratados.

"O que eles querem, que façamos luz com um estalar de dedos?" - um aluno da Engenharia Elétrica, revoltado da situação do curso. Em resposta ele recebeu de um colega: - Ué, talvez eles nos mandem ler GÊNESIS: "Faça-se a Luz".

É inegável a qualidade de ensino de uma Universidade Federal, quando esta FUNCIONA, as oportunidades que esta lhe traz. Contudo, está cada vez mais claro que Educação Superior, a EDUCAÇÃO de modo geral, definivamente não está nos planos da política desse país.

Lamentável, cruel, desanimador, mas real.

Um comentário:

JaqueFonseca; disse...

Eu sei que a gente não pode se alienar, as coisas acontecem, fato! Mas eu prefiro quando seus 'zigazeios' são no sétimo andar da sua mente, não do seu cérebro.